dire

dire

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

PÉS DESCALÇOS


            
          Beatriz, aos vinte anos comunicou-nos que ia deixar o mundo e ser Carmelita descalça. Lembrei-me subitamente dela aos quatro anos, depois aos dez, usando óculos, depois desabrochando de menina à moça.  Todas as fotografias desfilam diante de mim. Lembro-me da menina linda, olhando o mundo com o queixo e os olhos de quem olha as nuvens. O cabelo numa desobediência balança os pequenos cachos, milhares deles, soprados ao vento. Não sei dos sentimentos dos outros, mas pensei imediatamente na saudade da mãe, do pai, do irmão.  Pensei em todos os que em silêncio, tentavam entender. Vi as mãos estendida ao abraço e o toque nos ferros enfileirados da cela. Bia não foge de uma desilusão, não tem medo de enfrentar o mundo. Um mundo que derrete pelas bordas, que geme dor. É por este menino, que chora no escuro,  que as carmelitas oram. Oram antes do sol nascer, oram no meio da tarde, oram ao por do sol. Bia, como todas as jovens carmelitas, quer ser criadora de fios: fios de amor e luz.

L.A

Nenhum comentário: