dire

dire

sábado, 28 de dezembro de 2013

LUIZ MARTINS DA SILVA





I

No primeiro de uma dúzia
Renovações de promessas,
Insistir no sonho que somos.

II

De tudo o que é desejado,
(Mas nem tudo confessamos,
Melhor um baile de máscaras.

III
 Volta a vida, voltam  às aulas,
E o imposto da República
Que temos por ilustrar.

IV
Tempo de se abrir um céu
De esfuziantes virtudes,
Constelações de brilhantes.

V
Casar-se  mais uma vez
Com todas as noivas do mundo,
Perpetuar nossos nomes.

VI

Primeiro mês dos sem erres
Fartos mares de sardinhas
E santos com festas de milhos.

VII
Estação de calafrios,
é o inverno de nós mesmos
De tudo que não fizemos.

VIII
Gosto se quer se discute,
Mesmo que a terra vermelha
Implore perdão de pé juntos.

IX

Com muita desenvoltura
Volta a natureza ao estilo
Cartela de todas as flores.

X

Outubro, apelido de Outono
Ou seriam irmãos gêmeos...
Oriente e Ocidente?

XI

A melhor provas dos noves
Geometria de lápides,
Certezas bem decoradas.

XII

Volve a nós o mesmo ciclo
Sagradas festas pagãs
Todos podem ser crianças.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Livros - os melhores presentes: SANTA TERESA DO MENINO JESUS E A FORÇA DOS SEUS PEQUENOS CAMINHOS

           
                                 “O Amor de Deus tinha incógnitas moradas, mistérios escondidos, secretos caminhos.Uma verdadeira ciência era urgente construir para subir até esse grau de amor humano. As palavras de Teresa do Menino Jesus ou escancaradas nas linhas dos seus escritos, mostram toda uma sabedoria construída com os mais insignificantes atos do dia a dia."




Chega-nos, no livro de TERESA FERRER PASSOS, como um sopro de brisa, os pensamentos de Teresa de Jesus. Numa realidade de problemas econômicos, asperezas do trânsito, denúncias e violências de toda sorte, ler o livro sobre o amor incondicional de uma mulher faz-nos dar um salto ao outro lado do espelho. É como sombra fresca em dia fatigante e quente.  Que mulher jovem abandonaria tudo pelo silêncio de um mosteiro e a comunhão de mente e corpo com Deus. Possivelmente, poucas. Considere que ela nunca abandonou a vida, na sua curta jornada - morreu jovem, trabalhou incessantemente pela mudança na vida religiosa, lutou  pelos menos favorecidos. Em mim, fica um encanto de rosas nos dedos após fechar a última página e a certeza de que santos, são os homens que lutam por um mundo melhor, e, como nos diz a autora,  seguem a orientação do Mestre Jesus de que o Pai espera de seus filhos humanos todo amor. Algumas almas são eternas, não importa em que século viveram,  sob que manto religioso se  abrigaram. O livro é sobre os pensamentos e ações de uma mulher que nos serve de inspiração.  Amor é o verbo incondicional da narrativa. Uma excelente sugestão de presente.

Edições CARMELO, 2013.  link


terça-feira, 3 de dezembro de 2013

ABRAÇADOS VOAREMOS



LUIZ MARTINS DA SILVA


Até o Sétimo céu, por certo arcanjos,
Último degrau, aquele que chamam de Nirvana,
Donde para baixo só olhares de ternura;
Cada raio, milênios de douração, iluminuras.

Está escrito, poucos leem , em cada criatura,
Desde o micro esmero, uma joaninha, que o seja,
Só por amor não estaremos sozinhos,
Caminhos que ao coração pulsam desejos.

O amor não vem singular em seus desígnios
Ele nos desenha em cada instante percebido,
À procura do que em cada outro é o elo perdido.

Tudo o que temos e que de fato é nosso
É tão somente o que nos afetos corresponde
Ao que um procura e o outro logo diz onde.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

DÉJÀ VU






Às vezes,  chegam-me refletidas das memórias;   fotografias

São nítidos lugares , cenas matinais , rostos e jardins.

Pontes em arcos, rio lento deslizando entre  eles.

Chegam-me em  flashes:  degraus de escadas e quintais.

Silencio e observo a fumaça das cores diluírem-se com as águas

do rio.

Em que lugar das lembranças escondem-se esses dias

Onde ficaram escritos, em que livros se perderam

Em que paredes  ocultas  amordaçaram-se  no corredor 

dos séculos, os fragmentos vitrais das vidas.


Luísa Ataíde

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

BARCO DA ILUSÃO




Rosângela Ataíde

alma
que desta ilusão
(escrava)
                       
segue
ruas, labirintos
mares, cardeais
saudades

e nem sei se parto
ou se aborto
certas palavras

pois de todas as letras que sinto
este mastro
não é de sofrimento
não é de dor
é o oco que na tormenta me assusta
pois quase se parte
quando surge
em minha rota
(felicidade)

é ainda neste barco
de especta[dor
que
                                     noturna
                       
esta alma
mira luzes no firmamento piscando...

estrelas?

ou é você de prontidão
que me aguarda?

...contínuo é este espaço.

e eu sigo.

                                                                                   Dedicado a Brenno Lessa

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

PEDRA POLIDA - quase joia


LUIZ MARTINS DA SILVA

Gravo teu riso
Rupestre imagem
Tela ancestral.

Grafo teus olhos
Em céu astrológico 
De símbolos mágicos.

És minha guia
Talismã arcaico
Totem tatuagem.

Não imaginas quantos
Sonhos poderosos
Me dão força contigo.

Coração troglodita
Vigilante cismo
Viver do teu abismo.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

ENTRE ASPAS



Tenho fases como a lua
                                 Fases de ser só minha, fases de ser só sua.

Cecília Meirelles

sábado, 7 de setembro de 2013

A PÁTRIA





LUIZ MARTINS DA SILVA


Ela é a Gea, a mãe gentil,
Que a todos sustém,
Desde que há um pai, o Céu,
Que a cada chama de Eu.

Todos somos os seus filhos,
Em vida, artes, ofícios
E na invenção do que nos irmana
Em fervor, bandeira e língua.

Mas a Pátria é também o outro,
O qualquer ser falto de lastro
Com que cobrir do orvalho o rosto.

Tudo que Ela quer de nós é amor,
Não propriamente a si,

Mas, sobretudo, entre nós.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

IDENTIDADES BOTÂNICAS



Luís Martins da Silva

Aos ipês pouco restou de árvores.
São, agora, conosco, mais gente.
Querem, insinuam-se, insígnias,
A se gravarem em nossos emblemas.

Roxos, amarelos, brancos...
Arcaicos, ou já de cativeiros,
Eles se implantam, desde as planchetas,
Para as nossas avenidas e esplanadas.

Fazem parte, agora, das imagens,.
Páginas dos álbuns de família,
íntimas e urbanas paisagens.

Eu os recolho,  com olhares meigos
Às tantas estações de minha vida,
Postais de afetos, mulheres e filhos.


sábado, 10 de agosto de 2013

PAIS & FILHOS




LUIZ MARTINS DA SILVA


I
Há quem antes bendiga,
Longe do tempo e razão,
Quem será pai, filho, irmão.

II
Um dia o homem,
Ator por um triz,
Aparece embrião.

III
O mundo os viaja.
Quando um caminha,
O outro é estrada.

IV
Um, vai à lavra;
O outro reserva
Futuros sonhados.

V
Já quase ombros,
Confronto de alfas,
Conflito de heróis.

VI
Amor de pai,
Amor de filho,
Amor de irmão.

VII
Um dia, na tribo,
Louvor ancestral,
É dia dos pais.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

PÉS DESCALÇOS


            
          Beatriz, aos vinte anos comunicou-nos que ia deixar o mundo e ser Carmelita descalça. Lembrei-me subitamente dela aos quatro anos, depois aos dez, usando óculos, depois desabrochando de menina à moça.  Todas as fotografias desfilam diante de mim. Lembro-me da menina linda, olhando o mundo com o queixo e os olhos de quem olha as nuvens. O cabelo numa desobediência balança os pequenos cachos, milhares deles, soprados ao vento. Não sei dos sentimentos dos outros, mas pensei imediatamente na saudade da mãe, do pai, do irmão.  Pensei em todos os que em silêncio, tentavam entender. Vi as mãos estendida ao abraço e o toque nos ferros enfileirados da cela. Bia não foge de uma desilusão, não tem medo de enfrentar o mundo. Um mundo que derrete pelas bordas, que geme dor. É por este menino, que chora no escuro,  que as carmelitas oram. Oram antes do sol nascer, oram no meio da tarde, oram ao por do sol. Bia, como todas as jovens carmelitas, quer ser criadora de fios: fios de amor e luz.

L.A

terça-feira, 23 de julho de 2013

NAS ASAS DA BORBOLETA





No mistério do sem-fim equilibra-se um planeta. 
E, no planeta um jardim
e, no jardim um canteiro;
no canteiro uma violeta,
e, sobre ela o dia inteiro.
Entre o planeta e o sem-fim,
 a asa de uma borboleta.
Cecília Meireles

quinta-feira, 4 de julho de 2013

ENTRE ASPAS







"Eu me lembro que um dia acordei de manhã e havia uma sensação de possibilidade. Sabe esse sentimento? E eu me lembro de ter pensado: Este é o início da felicidade. É aqui que ela começa. E é claro haverá muito mais. Nunca me ocorreu que não era o começo. Era a felicidade. Era o momento. Aquele exato momento."
                                                                                                                    
                                                                                                                          Virgìnia Woolf
                                                                                       

sexta-feira, 21 de junho de 2013

ORDEM E DESORDEM

 



LUIZ MARTINS DA SILVA

Era a tua pedra,
E a nossa vidraça.

Era a tua ira,
E a nossa praça.

Era o teu molotov,
E o nosso palácio.

Era o teu piche,
E as nossas estátuas.

Era a tua barbárie,
E os nossos lemas.

És por acaso um filho
Da mesma Pátria em luta?


Foto- André Dusiake- canal R7

terça-feira, 18 de junho de 2013

ÁGUA E BANHOS




LUIZ MARTINS DA SILVA


Não existe banho de mar,
Quem se banha não é o corpo.
O mar é a própria essência cósmica
De um oceano de energias quânticas.

Não existe banho de rio,
Quem se banha não é o ego.
Os rios são estrelas líquidas
De uma constelação de carícias.

Não existe banho de chuva,
Quem se banha não é a mente.
Chuvas são aspersões do sagrado,
Miríades de pétalas nirvânicas.

Não existe sede de água,
Quem bebe não é a alma.
A água é a própria comunhão divina
De Criador e criaturas.

segunda-feira, 3 de junho de 2013

ASSOVIO NO ESCURO




LUIZ MARTINS DA SILVA

De verdade, de verdade, não existe.
Ele é só o lado avesso da presença.
Mas, como hei de convencer a criança
De que ele não passa de uma sombra do arcaico?

Hoje, por desígnios de milênios,
Há um silêncio que expande a própria noite,
Feito elástico que só decorou plano de ida,
Momentos de vidas, eu sei, eles jamais voltam.

Imagino reter o mundo no ponteiro dos segundos,
Mas o rio é insistente no seu curso.
Águas se renovam, não os nossos rostos.

Nada há de garantia no cândido acalanto
De que o tempo é uma ilusão dos sentidos
Que só age nestes confins de nossa nebulosa.

sexta-feira, 31 de maio de 2013

DEVOÇÕES




LUIZ MARTINS DA SILVA

Aos domingos, lá na feira,
Como parte de um culto,
Tantas provas em oferta,
Tenças de frutos em dádiva,

II

Chegando a estação da seca,
No ofício, o jardineiro,
Tange entulhos qual no hino
Que de fato louva ao vento.

III

São, assim, à sua maneira,
No linho as almas do povo:
Cinco da manhã, de vinda
E noutras tantas de volta.

IV

Pessoas de poucos números,
Mas de tanto molde em conta,
Como podem ser felizes,
Comendo marmita a um canto?

V
Eu os consagro na memória
Do confrade que já fui,
Na lavra e no eito, jornada,
De sol a sol, castos grãos.

VI

Carreiros, formigas humanas,
Na oração do trabalho,
Apostolado de doces,
Evangelistas de folhas.

VII
No sétimo dia, guardara;
No ócio das horas ocas,
O quinhão da santidade,
Dízimo da sexagésima.


terça-feira, 7 de maio de 2013

AS DUAS CASAS



LUIZ MARTINS DA SILVA

A casa,
Já não é a mesma,
Da planta original,
Tantos acréscimos e adaptações.

Por fim, parei, desisti, ao descobrir:
Casas são projeções de um espaço mental.
Com seus labirintos de uma vida para dentro
E de tudo que nos habita em aposentos folhados.

Não tarde descubro, meu coração é só o âmago
De um universo de memórias e pulsações,
De uma história afetiva que emenda retalhos de tempos
Num cerzir constante de apreender amores.

Agora, estou mais leve,
Por saber das casas,
A de fora, concreta, finita.
A de dentro, autoconstrução interminável.

Agora, posso dormir,
E até acordar, tanto faz.
Já não me circunscreve aquele espaço
Aonde, indevidamente, escrevem: “Jaz”.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

O CORPO DE DEUS



LUIZ MARTINS DA SILVA


D'Ele sempre me disseram
Ser vasta existência,
Insondável anti-matéria.


Raros o viram,
Alguns o ouviram,
Em seu nome todos falam.


Creio-O de fato infinito,
Mas de ausência presente,
Tantas as manifestações.


Teimo ser-Lhe testemunho,
No abrir das flores,
Sorriso de criança.

Deus é infantil,
Estuda física fractal,
Deita-se em leitos de delírio.


Senão por que desenha iguanas?
E hachuras de folhas?
E tramas de maré na areia?

Dele me vêm alguns toques,
Nada físico, sopro do sensível,
Ele aprecia música.


Cismo-O não uno corpo,
Mas, fragmentado de tudo,
Detalhes de passarinho.

Borboletas, então, coleciona.
Flores, hobby predileto.
Latifúndios de tulipa.


Certa vez o surpreendi,
Orvalho de orquídea,
Joaninha lambendo rosa.

Acho que ele curte praias,
Meditações solitárias,
Procurá-lo é para dentro.

Vê-lo é o tudo afora,
O para sempre do vento,
O mar sem fim da metáfora.

Toda vez que se ama, 
Ele nos agasalha,
Com seu manto morno de plumas.
.

domingo, 14 de abril de 2013

ENTRE ASPAS



Porque somos imperfeitos, ou supomos sê-lo, a luz nos 

ofusca. 

E porque a luz nos ofusca

fechamos os olhos.

E tudo continua escuro.



KEILA ABREU


terça-feira, 19 de março de 2013

A PIPA E O TEMPO



LUIZ MARTINS DA SILVA


A pipa, empinada é mais que  o pássaro,
Pois não avoa a ave acima do Sol:
Contra o olho, a pino,
O primor, prumo, rabiola e cerol.

O menino e a pipa aos céus,
São mais que arcanjos,
Pois mesmo não lhes sendo as asas,
Igualam-se em sonhos , alados querubins.

O menino avia, envia a pipa,
Como quem dá espinha ao peixe,
Para que tenha estrutura, navegue, flutue,
Sobrevoe o vago, alto mar, altivo.

Em breve o menino; a tarde; o orvalho...
O inquieto sopro da vida, a liberdade...
Enquanto a infância, não a leve o vento,
Não lhe cesse a brisa, tão logo ao trabalho.

domingo, 10 de março de 2013

TODAS AS VIDAS




Cora Coralina

Vive dentro de mim
uma cabocla velha
de mau-olhado,
acocorada ao pé do borralho,
olhando pro fogo.
Benze quebranto.
Bota feitiço...
Ogum. Orixá.
Macumba, terreiro.
Ogã, pai-de-santo...

Vive dentro de mim
a lavadeira do Rio Vermelho,
Seu cheiro gostoso
d’água e sabão.
Rodilha de pano.
Trouxa de roupa,
pedra de anil.
Sua coroa verde de são-caetano.

Vive dentro de mim
a mulher cozinheira.
Pimenta e cebola.
Quitute bem feito.
Panela de barro.
Taipa de lenha.
Cozinha antiga
toda pretinha.
Bem cacheada de picumã.
Pedra pontuda.
Cumbuco de coco.
Pisando alho-sal.

Vive dentro de mim
a mulher do povo.
Bem proletária.
Bem linguaruda,
desabusada, sem preconceitos,
de casca-grossa,
de chinelinha,
e filharada.

Vive dentro de mim
a mulher roceira.
– Enxerto da terra,
meio casmurra.
Trabalhadeira.
Madrugadeira.
Analfabeta.
De pé no chão.
Bem parideira.
Bem criadeira.
Seus doze filhos.
Seus vinte netos.

Vive dentro de mim
a mulher da vida.
Minha irmãzinha...
tão desprezada,
tão murmurada...
Fingindo alegre seu triste fado.

Todas as vidas dentro de mim:
Na minha vida –
a vida mera das obscuras.

(Histórias das ruas e becos de Goiás)

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

MY NAKED LUNCH



FERNANDO HENRIQUE DE  PASSOS

A David Cronenberg e William S. Bouroughs

Há um mundo de sombras por detrás da estante.
Quero desvendá-lo.
Vibram as paredes animadas- som penetrante
Em que me embalo.

Um macaco azul de pênis vermelho
Cospe-me na testa.
Oiço um escaravelho:
"Hoje há uma festa".

Penumbra sem horas nem minutos:
A minha sombra esguia no soalho
Contorce-se em espasmos absolutos;
Eu estou imóvel; a lamparina arrefece-me o trabalho.

Símbolos caídos no cesto dos papéis:
Devo escrever mais.
Vejo autoestradas onde correm corcéis
Que me forram o peito de jornais.

Um copo de água sobre a mesa:
Cintilação de estrelas mortas:
Uma lua acesa
no estreito quarto de sete portas.

Os sete monstros passam a fronteira: 
Estão deste lado.
Falam comigo da manteigueira;
Sou avisado.

Só quando toca a campainha
É que desperto do pesadelo:
a luz é minha.
(Mas o outro mundo, como esquecê-lo?)

sábado, 9 de fevereiro de 2013

EPÍTETOS PARA UM ASCETA


LUIZ MARTINS DA SILVA

À memória de Clésio Ferreira
(Dos irmãos, Clodo, Clésio e Climério).


Pessoas há que não passam,
Mesmo quando já trespassadas.

Olhar de amigo, lívido lírio.
Olhá-lo óvulo, voo, enlevo calmo.

Ia-se, nado, a braçadas para este Nada.
Que é o Tudo, ou é só um Vale.

Pedir-lhes-emos, agora, licença,
Por imagens, outras percepções.

Pessoas há que nem o são.
Se seres fossem, não doeriam.

Preferem crer, à moda dos cães.
Melhor não ser, a ser vil.

Ocultara-se, já quase casulo
Despregando vida como velcro.

Viver é só um curto invento.
Para enigmas de revelações.


sábado, 2 de fevereiro de 2013

MUSEU DE IMAGENS







LUIZ MARTINS DA SILVA

Não irei apelar sentença
Menor que a de Prometeu,
Ainda que um corvo me escarne
Mais ave que um último adeus.

Se bem lhe apraz, a cabeça,
Se é pouco, quem sabe o pescoço                    
E se já me lavaram os ossos,
Que importa a caverna no tórax?

Atendam-me num último sonho:
De não me arrancarem raízes
(Psiu! Lá, escondo uma Fênix).


Memória não se emascula
Nem no profundo das cinzas,
Simples figuras que sejam.

domingo, 13 de janeiro de 2013

CRIADOR E CRIATURA



LUIZ MARTINS DA SILVA

Quis o Altíssimo,
Na sua  infinita Aquarela,
Não a criatura pronta,
Mas a parceria.

Fomos assim feitos,
Simbólica trama;
Metade sonho,
Metade partitura.

Querendo o Elevado refletir-se,
Semeou Narcisos pelo mundo.

Vez por outra, sai do jogo
Para ir à colheita.